Perseguição a Julian Assange, do Wikileaks, extrapola os limites do bom senso

Julian Assange conseguiu asilo político, mas Reino Unido ameaça não deixa-lo sair (imagem/Wikipedia)



  O Equador deu asilo político a Julian Assange, criador do Wikileaks, que há semanas encontra-se refugiado na embaixada do país no Reino Unido. Mas o governo do Reino Unido disse que não vai deixá-lo sair do país e vai extraditá-lo para a Suécia. O impasse diplomático está armado e a tensão aumentou muito nas últimas horas.

  Primeiro vamos entender como chegamos a esse ponto.

  Julian Assange criou o site Wikileaks que revelando uma série de documentos secretos dos EUA e de outros países. Depois disso a Suécia resolveu processá-lo por um crime sexual (ele fez sexo sem camisinha com 2 desconhecidas e isso na Suécia é considerado crime), condenado tinha de ser extraditado do Reino Unido para a Suécia. Porém Assange acredita que isso é uma desculpa para que ele seja processado pelos EUA e depois extraditado para lá, pondo sua vida em risco.

  Assange estão se instalou na embaixada equatoriana no Reino Unido e pediu asilo político no país, agora que o asilo foi concedido a polêmica e a tensão tomaram conta da embaixada.

  O Reino Unido, além de dizer que não deixaria Assange sair do país ameaçou invadir a embaixada caso ele não saísse. Porém qualquer uma das atitudes violam acordos internacionais e podem ter consequências sérias.

  O que eu sei é que Assange está sendo perseguido. Nunca vi perseguirem tanto uma pessoa por um crime tão banal. Se fosse um terrorista, um estuprador ou até um assassino eu entenderia, mas perseguir alguém dessa forma, por causa de sexo sem camisinha é demais.

   Por isso eu apoio a decisão do Equador e acho que o Assange tem sim o direito a asilo político, pois se cair nas mãos dos Estados Unidos pode até não morrer, mas vai apodrecer atrás das grades. Por ter feito o que era pro governo americano ter feito, tornar públicas informações de interesse público.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas